Os ajulejos de Lisboa

Lisbon

Quando você visita Lisboa pela primeira vez, é difícil não notar as telhas espetaculares ou "azulejos" que não são apenas para a decoração, mas fazem parte da construção. Eles brilham nas fachadas de blocos de apartamentos, deslumbrar nas praças públicas, trazer cor para o interior das igrejas e até mesmo fazer uma viagem no metro mais divertido.

Os azulejos chegaram primeiro a Portugal no século XV, quando partes da Península Ibérica ainda estavam o domínio dos mouros. Embora muitos assumam que a palavra é derivada de azul (Português para "azul"), a palavra é de origem árabe e vem de AZ-zulayj, que traduz aproximadamente como "pedra polida".

Os abundantes edifícios azulejos de Lisboa não são todos os séculos de trabalho, no entanto. Na verdade, no início do século 20, a arte do azulejo tinha caído fora de favor. Aparentemente, a elite cultural desprezou-o e disse que era para os pobres! Mas um renascimento dos azulejos começou na década de 1950, quando os primeiros designers da estação de metrô de Lisboa queriam uma maneira fácil de ter baixa manutenção para que o subsolo se sentisse menos separado do mundo exterior.

As estações do parque e dos restauradores, os exemplos mais impressionantes entre os sete construídos originalmente, são cobertos por azulejos de padrão geométrico, muitos dos quais são o trabalho da prolífica artista portuguesa Maria Keil, cujo marido Francisco Keil do Amaral foi o arquiteto de estações. Seu talento decorativo agora apresenta em 19 das estações de Lisboa.

A 1998 Exposição Mundial transformou a arte em si. As autoridades da cidade decidiram que um local ribeirinho outrora abandonado era o lugar ideal não só para a exposição, mas para uma nova linha de metro. Na estação Alameda, foram criadas imagens de navegadores e navios que refletem a história marítima de Portugal. Em olivais, oliveiras foram pintadas nas telhas, representando o bosque que uma vez ficou lá. E no Oriente, a estação de saída para o local da Expo, artistas de cinco continentes receberam seu próprio espaço para criar obras individuais com um tema marítimo.

Desde então, a arte da telha foi instalada em inúmeras outras estações de metro, incluindo cais do sodre, com os coelhos gigantes Alice in Wonderland-esque cobrindo o túnel e burros, cabras e escritores brandindo penas no alto dos moinhos!

Publicado em: Viagem / Notícias do site / Propriedade à Venda em Portugal / Vida Portuguesa / Propriedade de Portugal / Guia para Portugal